Câmaras dos smartphones | A tendência descontrolada

Câmaras dos smartphones

Câmaras dos smartphones

Sabia que a LG criou uma patente para um smartphone com 16 câmaras? Sim, isto é verdade. Mais do que isso, a Samsung lançou recentemente o seu novo Samsung Galaxy A9 com 4 câmaras fotográficas e as previsões indicam que os novos equipamentos da Huawei também vão surpreender. O que se passa com as câmaras dos smartphones?!

A razão desta tendência descontrolada por aumentar o número de câmaras é só uma: falta de sítio para inovar. Repare que os processadores, RAM, memória interna e outros componentes já estão quase ao nível dos computadores. O software também já não há muito mais por onde evoluir, temos o iOS (muito fechado), o Android e todas as ROMs customizadas para este último. Sobra apenas as câmaras dos smartphones. Mas, será isto correto?

Câmaras dos smartphones

Sejamos sinceros, todos queremos tirar boas fotos com os nossos smartphones. O facto de conseguirmos ter uma razoável máquina fotográfica no bolso é muito prático para o dia a dia. No entanto, os iPhones sempre tiraram fotos excelentes com uma câmara e muitos smartphone Android também o fazem.

Não obstante, quando introduziram o conceito da dupla câmara principal, as melhorias até foram visíveis e o mercado entendeu e aceitou. Porém, agora o que é isto de colocar tantas câmaras? Sabem quando é que isso vai correr mal? Quando alguma destas avariar, aí nem especialistas como nós, Dr. Smart, vão conseguir fazer preços acessíveis. Estamos a falar de pequenos componentes, muito sensíveis e dispendiosos.

Parece incrível como as marcas está a evoluir tanto para o lado material. Mais RAM, mais memória interna, mais câmaras. Porque não mais capacidade de interação com o cliente, tecnologias de inteligência artificial ou mesmo investimento forte em estratégias de recolha de equipamentos antigos para trocar por mais recentes.

Sempre que a marca aposta num bem material está simplesmente a criar um atributo a mais para potenciar uma compra e a desinvestir no cliente. A estratégia tem de mudar. Eu como cliente quero poder comprar hoje um smartphone que não vá estar obsoleto 24h depois. Quero também saber que o meu equipamento antigo não será lixo eletrónico, mas sim que as marcas o vão reaproveitar. Esta é a missão que, a meu ver, falta no mercado e nas marcas de smartphones.

 

Nota importante: A Dr. Smart não se responsabiliza pelas sugestões apresentadas que o utilizador poderá testar na reparação do seu dispositivo. Estas sugestões são apenas exemplos e na maior parte não reflecte nas práticas do dia-a-dia de Reparações de Smartphones e Tablets efetuadas nos Stands e loja da Dr. Smart.